13.11.10

comer, rezar, amar - elizabeth gilbert

eu sempre preferi ler antes de ver, mas com "comer, rezar, amar" foi diferente. eu já tinha ouvido falar desse livro, que era um best-seller, mas eu não costumo ler os indicados pela Times. aí, o filme chegou em Belém e é com a julia roberts, que eu adoro!!!!! fui correndo ver e adorei. comprei o livro e não me arrependi.
a história da liz podia ser a história da minha vida, a história de nossas vidas. chega um momento em que tudo parece perdido e confuso e você precisa fazer alguma coisa pra não ser engolida pelo buraco negro. então, a liz fez o que eu gostaria de fazer nesses momentos: viajou.
ela foi pra roma, índia e bali. conheceu o prazer da boa comida, o prazer de encontrar deus e o prazer de conhecer um grande amor. tudo isso dentro de 1 ano. ahhhh que inveja!!!!!!!!
mesmo não podendo fazer o que a liz fez, fico feliz por aproveitar um pedacinho das descobertas dela, através da leitura desse livro, que aliás, recomendo.
comer, rezar, amar proporciona uma ida pra dentro de si mesmo e é muito bom olhar para dentro e perceber que gosta do que está vendo. alcançar isso pode ser difícil e demorado, mas vale a pena. e por isso esse é o meu objetivo: olhar pra dentro de mim mesma e sorrir pelo que eu estiver vendo...

3 comentários:

Isabel Dasp disse...

Eu queria muito ter ido ver o filme, confesso, que senti uma preguiçinha em ler o livro. Mas também muito antes quando o livro virou best-seller, me chamou a atenção sobre o título, esse que tem reunido um lema de vida... Gostoso saber, que o livro se trata disso, pois nos deparamos várias vezes, com essa sensação desagradável de 'buraco negro'.
Atualmente estou vivendo um momento feliz, por dentro e por fora. :)

Flor ♥ disse...

Se eu já estava com água na boca para ler este livro, teu post aumentou a vontade!

Bjs.

Cris disse...

Deixei um post acima, com minha opinião de quando li o livro em 2008, antes de se tornar o Best Seller que se tornou.

Acho que não mudou muito o que eu penso. Aliás, mudou... O Javier Barden como o brasileiro no filme é TUDO DE BOM.

Estou com comprometida aqui para ler. Na fila.